terça-feira, Julho 22, 2014

Gostava de te falar de amor.

Gostava de te falar de amor, mas nunca tive o dom da palavra. Não te sei encher o mundo de frases bonitas. Falta-me o jeito, e até mesmo a coragem. Sobra-me o pânico de um coração mudo que nunca ousou ser mais do que era. A verdade é que todos nós somos donos do nosso silêncio e escravos das nossas palavras. E talvez seja isso que me assusta... a escravidão daquilo que te possa revelar.

Porque quando as palavras são ditas em voz alta ganham toda uma outra importância e tudo aquilo que representam passa a ser real. E tenho medo. Tenho medo que me reconheças o sentimento e que me faças refém dele. Não tenho a certeza se é seguro dar-te esse poder. E é esta fragilidade que me protege e que me impede de falar.

Por isso, desculpa-me. Desculpa-me se as palavras me ficam presas na garganta, se a lingua enrola quando devia deslizar, se tudo o que ouves é um grande nada. Mas a verdade é que gostava de te falar de amor, mas nunca tive o dom da palavra.

segunda-feira, Julho 21, 2014

It comes a time when...


It comes a time when you just have to say:
"Fuck It. Do as you want. I no longer care. Whatever."

domingo, Julho 20, 2014

Exposição "Dissecação/Dissection" de Vhils no Museu da Electricidade - As fotos


Dissecção é a primeira exposição individual de Alexandre Farto – de nome artístico Vhils – numa instituição artística portuguesa e a maior realizada pelo artista até à data. Patente no Museu da Eletricidade entre 5 de julho e 5 de outubro, a exposição apresenta um corpo de trabalho inteiramente novo concebido especificamente para o espaço, exterior e interior, do museu. 

Em Dissecção, Vhils apresenta obras inéditas de grande dimensão, criadas especificamente para este projeto, que problematizam a memória coletiva das cidades, a vertigem das suas imagens, as histórias dos seus habitantes. 

Apresentando-se como uma reflexão em profundidade sobre o espaço urbano em interação com os seus habitantes, Dissecção toma como ponto de partida vários dos elementos intrínsecos a esse espaço. A intenção do artista é estabelecer, através dos vários ambientes, criados expressamente no espaço do Museu, um percurso que permite vivenciar a passagem de uma dimensão de ruído, caos e saturação visual – que exprime a vida nas cidades contemporâneas – para um cenário neutro. Vhils propõe-se fazer uma dissecção metódica de elementos urbanos familiares com recurso a vários suportes não convencionais e técnicas destrutivas que tem vindo a explorar no seu trabalho. 

De reconhecimento recente, mas já solicitado para intervenções em todo o mundo,Vhils não se limita a usar os muros da cidade como suporte ou a transferir mecanicamente as soluções plásticas do exterior para as telas, revelando grande capacidade global de intervenção e invenção de espaços e meios. 

Aconselho vivamente esta exposição!!
Deixo aqui algumas fotos só para vos abrir o apetite:


Parece que nada dura..

 

Simplesmente sensacional!! (",) 


Desvaecer 
Portas antigas de madeira gravadas a laser

 


Sobreposição 
Cartazes recolhidos da rua, esculpidos manualmente e cortados a lazer 


Deluzir 
Placa de metal, solução resistente ao ácido, ácido nitrico, ferrugem, cera


Diorama 16, 2014 
Esferovite cortado a fio quente, montado e colado à mão

Pequenos grandes momentos xD



sábado, Julho 19, 2014

Acabei de ver:



A 1ª e 2ª temporada de Teen Wolf !! =)

sexta-feira, Julho 18, 2014

E a nossa noite foi assim:


Dia Internacional de Nelson Mandela


"Ninguém nasce a odiar outra pessoa por causa cor da pele, da sua origem ou religião."

"Se as pessoas aprendem a odiar, também podem ser ensinadas a amar, porque o amor é mais natural no coração humano do que o sentimento oposto."

"O que realmente conta na vida não é apenas o facto de termos vivido. É a diferença que fizemos nas vidas dos outros que determina a importância da nossa própria vida."

"A educação é a arma mais poderosa que temos para mudar o mundo."

"Ser livre não é apenas tirar as correntes de alguém, mas viver de forma a respeitar e ampliar a liberdade dos outros."

"A nossa maior glória não está em nunca cair, mas em levantarmo-nos sempre que caímos."

terça-feira, Julho 15, 2014

Acabadinha de sair da AE de "Planeta dos Macacos: A Revolta" :D

Foto: Acabadinha de sair da AE de "Planeta dos Macacos: A Revolta" xD

Cartaz do FilmeSinopse: 
Anos após a epidemia causada pelo vírus ALZ-113 que praticamente dizimou a Humanidade, a Terra é dominada por uma raça de símios liderada por Caesar, um macaco dotado de inteligência e instinto superior. Depois de quase uma década sem qualquer contacto com seres humanos, alguns macacos deparam-se com um grupo de sobreviventes que pertencem a uma réstia quase extinta de pessoas. Ante o perigo de ataque, ambas as espécies tentam mostrar a sua supremacia. Porém, apesar das circunstâncias que deram origem aos antagonismos, todos percebem que é chegado o momento de tentar a cooperação. Com isso em mente, as partes iniciam uma trégua para decidir de que modo poderão coexistir pacificamente e, assim, estabelecer uma nova ordem no planeta. 
Com realização de Matt Reeves, este filme segue a história criada por Rupert Wyatt em "Planeta dos Macacos: A Origem", que precede os eventos narrados no célebre romance de ficção científica do francês Pierre Boulle (adaptada ao cinema por Franklin J. Schaffner, em 1968, e por Tim Burton, em 2001). 
O elenco conta com Jason Clarke, Gary Oldman, Keri Russell, Andy Serkis e Toby Kebbell, entre outros.

AE "O Teorema Zero" - Critica


Cartaz do FilmeSinopse:
Algures num futuro distópico e imerso em tecnologia, Qohen Leth (Christoph Waltz) é um génio informático excêntrico e anti-social que vive na angústia de conseguir encontrar a resposta para a mais antiga e profunda das questões colocadas pelo ser humano: o sentido da existência. É contratado por uma corporação misteriosa, duvidosa e omnipresente (que, diz o seu "slogan", "dá sentido às coisas boas da vida"), para que confirme uma fórmula fatalista baseada na teoria do Big Crunch, segundo a qual todo o universo caminha para uma contracção que levará ao derradeiro colapso. Em troca, são-lhe prometidas respostas para todas as dúvidas existenciais que o atormentam. A demanda de Qohen é interrompida pela chegada de Bainsley (Mélanie Thierry), uma rapariga jovem, sensual e voluptuosa. Mas ele não vai descansar enquanto não testar todos os limites. 
A ficção científica e a filosofia cruzam-se neste filme realizado por Terry Gilliam, que o descreveu como o terceiro tomo de uma trilogia "orwelliana" iniciada com "Brasil: O outro Lado do Sonho" (1985) e prosseguida com "12 Macacos" (1995). "O Teorema Zero" estreou-se em competição no 70.º Festival de Veneza. 
Para além de Christoph Waltz e Mélanie Thierry, conta no elenco com Matt Damon, Ben Whishaw e Tilda Swinton.

(In)confidência:
Um filme estranho mas bastante interessante. 
Passado num mundo futuristico, este filme retrata-nos a ânsia de um homem em saber qual o seu papel neste mundo. Este homem, socialmente deslocado, foca toda a sua vida na espera de um telefonema que não chega... um telefonema que lhe vai desvendar o sentido da sua existência, deixando assim de viver a sua própria vida arrastando-se nos dias que lhe sucedem. Mas mais do que esta procura por uma resposta a uma pergunta que já tantos outros fizeram, este filme retrata ainda a sociedade em que actualmente vivemos, uma sociedade dominada pelas novas tecnologias em que na maior parte das vezes até podemos estar fisicamente com alguém mas psicologicamente estamos noutro mundo qualquer, logados num facebook ou noutra aplicação semelhante. É esta necessidade de comunicar o vazio que nos preenche o dia a dia num mundo onde as pessoas se extinguem no peso da sua não existência, que nos toca e nos faz pensar. 

"I was alone but never lonely"

Ah... a bela da bola de berlim na praia! xD

segunda-feira, Julho 14, 2014

Acabadinha de sair da AE de "Ida"


Cartaz do FilmeSinopse:
Polónia, 1962. Com apenas 18 anos, Anna está decidida a fazer-se freira no convento onde foi acolhida na infância, após a morte dos pais. Antes que tudo se torne definitivo, e apesar de reconhecer a sua inegável fé e dedicação, a madre superiora aconselha-a a sair do convento e procurar Wanda Lebenstein, irmã da sua mãe, que é também a única sobrevivente da família. Quando a conhece, a rapariga fica a saber que o seu verdadeiro nome é Ida e que os seus progenitores foram vítimas do extermínio nazi. Determinadas a enfrentar o passado e perceber o que as levou até ali, as duas mulheres partem juntas em direcção à aldeia onde nasceram. Nesse lugar, Ida terá de escolher entre a sua origem judia e a religião cristã que a salvou da ocupação nazi. Por seu lado, Wanda terá de sarar as feridas provocadas por difíceis decisões que teve de tomar em relação a uma causa superior à sua própria família. 
Escrito e realizado pelo aclamado realizador Pawel Pawlikowski ("A Última Oportunidade", "Amor de Verão"), "Ida" recebeu o Prémio da Crítica Internacional no Festival de Cinema de Toronto e o de Melhor Filme no Festival de Cinema de Londres.

(In)confidência:
Bem, este filme era tão interessante mas tão interessante que fiquei lá meia hora (e já tava a pensar em sair da sala de cinema ao fim de 5 minutos de lá estar...).

Por aqui passeia-se xD

quarta-feira, Julho 09, 2014

Acabadinha de sair da AE de "22 Jump Street - Agentes Universitários" :D


Cartaz do FilmeSinopse:
Morton Schmidt e Greg Jenko (Jonah Hill e Channing Tatum) eram, na juventude, inimigos declarados: o primeiro era o típico estudante marrão e complexado; o segundo, o engraçadinho da turma que gostava de ridicularizar os mais fracos. Quando, anos mais tarde, se encontram na academia de polícia, deixam para trás as divergências e acabam por se tornar os melhores amigos. Apesar das grandes dificuldades da recruta, ambos conseguem terminá-la, acabando por ser bem-sucedidos na dificílima missão de se transformarem em estudantes de liceu e acabar com o tráfico de uma perigosa droga sintética que se estava a vulgarizar entre os estudantes. Agora que todos lhes reconhecem o mérito de fazerem transparecer a sua (falta de) maturidade, são destacados para uma missão semelhante numa universidade, que envolve a morte de um aluno. Porém, e apesar da grande experiência revelada anteriormente, parece que levaram demasiado a sério o espírito académico, revelando um envolvimento excessivo com algumas das suas "colegas de curso"... 
Uma comédia realizada pela dupla Phil Lord e Chris Miller ("Chovem Almondegas"), que continua as aventuras dos agentes Schmidt e Jenko. "Agentes Secundários" inspira-se na série televisiva em voga nos anos 1980, criada por Stephen J. Cannell e Patrick Hasburgh, e que contou com Johnny Deep como um dos protagonistas.

terça-feira, Julho 08, 2014

Acabadinha de sair da AE de "Na terceira pessoa" xD



Cartaz do FilmeSinopse:
Três histórias a acontecer simultaneamente em três cidades distintas. Em Paris, Michael procura dar largas à sua criatividade e dedicar-se de corpo e alma à escrita, enquanto se esforça por gerir o fim da relação com a ex-mulher e a sua nova paixão. Em Nova Iorque, Julia tenta, a todo o custo, obter a custódia do seu filho pequeno, que lhe foi retirado depois de o ex-marido ter assegurado que ela não tinha condições psicológicas para assumir o papel de mãe. Em Roma, Sean apaixona-se por uma mulher italiana envolvida num estranho caso de rapto. 
Estas três histórias, aparentemente distantes, vão interligar-se de uma forma inesperada. Com realização e argumento de Paul Haggis ("Colisão") conta com a participação dos actores Liam Neeson, Kim Basinger, Olivia Wilde, Mila Kunis, James Franco, Adrien Brody, Moran Atias e Maria Bello.

Quem disse que os 30 não me traziam nada de novo?!






A partir do momento em que consegues desligar o coração, viver torna-se muito mais simples.

segunda-feira, Julho 07, 2014

Grande noite!! =)


Acabadinha de sair do dentista e directa para a farmácia!! =P

Marta Sofia a manter clinicas de medicina dentária abertas desde 1984!!! xD

Histórias e mundos.



Há histórias que nos cativam, que nos roubam de nós mesmos... que nos transportam para mundos que nunca sonhámos ou até mesmo imaginámos. Mundos que tornamos nossos, sem pedir licença. Mundos que nos alteram a percepção do real. Mundos que nos transformam e que nunca mais nos devolvem a nós próprios.

sábado, Julho 05, 2014

Perdida algures por Sintra =)

Adoro!! xD

Álea Ferreira de Castro - "Desejaria fixar ali para sempre (...) Desejaria fuxar sepultado à beira duma dessas poéticas veredas que dão acesso ao Castelo dos Mouros"

Epah... se calhar tou uma beca perdida...

Posso andar perdida, mas uma coisa eu sei... ali no nº5 é que não me apanham!! =P

Another one bites the dust!!

As pessoas e nós.

As pessoas vivem tão fechadas na sua própria realidade que nunca vão ver para lá disso, e acabam por viver sempre dos seus à prioris. A realidade é que cada vez menos as pessoas se conhecem e se tentam conhecer. Não nos podemos acomodar e viver quase como que dormentes ao longo da vida. Tem de haver uma abertura ao conhecimento de outras realidades. E a ideia pré-concebida sobre algo que não conhecemos adultera a nossa disponibilidade perante os outros. Temos que descontruir os paradigmas que achamos que estão certos, porque senão tudo o que poderá haver é uma conversa de surdos por oposição de ideias. E o que se vai desenvolver, se não houver receptividade, é um clima de desinteresse e indiferença. As visões antagónicas sobre a mesma coisa só existem para dar lugar a uma coisa: a uma abertura de horizontes, por intercepção de ideias. Desta forma, devemos ter uma posição critica perante nós mesmos, para que possamos ser uma melhor versão de nós mesmos. O ideal era mesmo cada um de nós ter um sininho Pavlov, mas à falta dele teremos de ser nós próprios a conservar a nossa marca pessoal, a manter-nos fiéis a nós mesmos, porque no fim do dia somos nós - e apenas nós - que temos de viver todos os dias connosco próprios. Assim sendo, há que trabalhar o intrinseco, porque os outros também acabam por ser um reflexo de nós mesmos. 

sexta-feira, Julho 04, 2014

Não gosto.


Não gosto de ser adulta. 
Não gosto deste cinismo instituido.
Deste desprezo geral pelo outro.
Desta falta de paciência do mundo para ver para lá do seu umbigo.
Deste despreendimento  pela condição humana.
Assusta-me esta globalidade na queda da moralidade e dos principios.