sexta-feira, fevereiro 28, 2014

Uma primeira e última vez

Incomodava-lhe o silêncio mas... já cansada, descansou a voz. Falara durante meses a fio na esperança de ser ouvida. Mas não o tivera sido. Tudo o que dissera fora apenas um mero eco. Agora tinha se esgotado... tanto o tempo como a palavra. Dele e dela nada havia sobrado, a não ser um vislumbre do passado e um futuro imaginado. Por isso, calou-se, uma primeira e última vez, porque nada mais havia a dizer.

Restaurant Week @ 12 Bistro & Terrace





Postsecret da semana

1please

4choose

5cheebugr

10friend


Acabadinha de sair do visionamento de "Non-Stop"


Cartaz do FilmeSinopse:
Durante o voo transatlântico entre Nova Iorque e Londres, o US Air Marshall Bill Marks recebe uma série de misteriosas mensagens de texto, ordenando-lhe que instrua o governo para transferir 150 milhões de dólares para uma conta off-shore ou um passageiro será morto a cada 20 minutos. O que se segue é um trepidante jogo do gato e do rato com as vidas dos 146 passageiros reféns nesse avião.

quinta-feira, fevereiro 27, 2014

Surgery for the soul?! Please?! Someone?!

E hoje começa a 2ª temporada de Vikings!!!

Ai Ragnar Lodbrok, dava-te cá uma trinca!! 
Mas siga para os próximos 10 episódios!! =P

Vikings é uma série de drama histórico, criada por Michael Hirst e produzida para o canal norte-americano History Channel. Filmada na Irlanda, a série é inspirada na saga épica de rei viking Ragnar Lodbrok. 

Vikings estreou em 3 de março de 2013 nos Estados Unidos e tornou-num êxito apresentando das maiores audiências que o History Channel já teve.

A série narra o conto do mundo épico e violento da Escandinávia, origem do povo viking que invadiu, explorou e negociou com parte da Europa, durante a Idade Média, no período medieval. Ela segue as aventuras da semi-lendária figura viking Ragnar Löthbrok (Travis Fimmel) e sua tripulação, além da família e como ele luta para tornar-se "rei" de uma grande parte da moderna Escandinávia e Europa. 

 

Acabadinha de sair do visionamento de "300: O Início de Um Império" xD


Cartaz do FilmeSinopse:
Baseada no mais recente romance de Frank Miller, Xerxes, e descrita no tremendo estilo visual do filme '300', este novo capítulo desta épica saga acontece num novo campo de batalha - o mar - no qual o general Grego Themistokles tenta unir toda a Grécia ao liderar um ataque que mudará o curso da guerra. 
Após a morte do pai, Xerxes (Rodrigo Santoro) dá início a uma jornada de vingança e ruma em direção à Grécia, com seu exército sendo liderado por Artemisia (Eva Green). Enquanto os 300 espartanos liderados por Leonidas tantam combater o Deus-Rei, os exércitos do resto da Grécia se unem para uma batalha com as tropas de Artemisia no mar. Themistocles (Sullivan Stapleton) é o responsável por liderar os gregos. 
Esta aventura de ação conta com a participação de Sullivan Stapleton como Themistokles e Eva Green como Artemesia. Lena Headey volta ao seu papel de “300” como Rainha de Esparta, Gorgo; Hans Matheson é Aeskylos; e Rodrigo Santoro representa novamente o papel de Rei da Pérsia, Xerxes.

"It begins as a whisper... a promise... the lightest of breezes dances above the death cries of 300 men. That breeze became a wind. A wind that my brothers have sacrificed. A wind of freedom... a wind of justice... a wind of vengeance."

quarta-feira, fevereiro 26, 2014

Acabadinha de sair da AE "Um Quente Agosto" :D


Cartaz do Filme
Sinopse: 
Situada em Osage County, no estado de Oklahoma (EUA), durante o mês mais quente do ano, esta é a história dos Weston, uma família disfuncional que se reúne devido ao estranho desaparecimento de Beverly Weston, o patriarca. À medida que os dias passam e eles são forçados a uma convivência imposta pelas circunstâncias, tudo vem ao de cima: as crises, os ciúmes, os ressentimentos e as fragilidades de cada um. Porém, no meio de tantos sentimentos, haverá espaço para reencontrar o amor que, apesar de tudo, ainda teima em uni-los a todos… Com produção de George Clooney, Jean Doumanian e Grant Heslov, uma comédia negra assinada pelo produtor, argumentista e realizador John Wells (responsável pela série televisiva "E.R. - Serviço de Urgência" e, mais recentemente, pelo filme "Homens de Negócios"). 
O argumento baseia-se na peça homónima de Tracy Letts que, com esta obra, venceu um Prémio Pulitzer. 
O elenco é de luxo e conta com Meryl Streep, Sam Shepard, Julia Roberts, Ewan McGregor, Chris Cooper, Abigail Breslin, Juliette Lewis e Benedict Cumberbatch, entre outros. 
"Um Quente Agosto" está nomeado para dois prémios da academia: Melhor Actriz e Melhor Actriz Secundária (Meryl Streep e Julia Roberts, respectivamente).

*Always wear your invisible crown*

terça-feira, fevereiro 25, 2014

Postsecret - Classic Secrets

balls

forgiven

 polite

rapist

Visionamento de "O congresso" - Critica

Cartaz do Filme
Sinopse: 
Robin Wright, interpretando-se a si própria, recebe uma oferta de um estúdio importante para vender a sua identidade cinematográfica: ela será digitalizada e serão criados vários clones digitais seus que podem ser usados sem restrições em qualquer filme de Hollywood – mesmo os mais comerciais e que a actriz no passado recusara fazer. Em troca, Robin receberá uma avultada quantia, e o estúdio promete-lhe que fará com que o seu clone digital nunca envelheça e fique jovem para sempre. Mas mais importante que isso, com esse dinheiro, Robin poderá ajudar o filho que sofre de uma doença rara. O contrato será válido por 20 anos.

(In)confidência:
Este novo filme de Ari Folman, o realizador de "A Valsa com Bashir", é baseado no conto de ficção científica chamado "The Futurological Congress" do polonês Stanislaw Lem. Na sua versão original, a história narra a história de um homem que está imerso numa sociedade onde a realidade é alterada e substituída por um gás alucinógeno, mas nesta adaptação a protagonista é uma mulher, Robin Wright que se representa a si mesma.
O filme é uma mistura de animação e live action, em que o live action vai dado lugar à animação, até só isso restar. Um conceito completamente inovador.
Na minha opinião, este é um filme de uma estranha e rara beleza, em que o mundo da imaginação se cruza com o da realidade. Uma parábola a sociedade em que vivemos, em que uma droga mágica que nos permite alucinar e transformar naquilo que somos, ou melhor, naquilo que gostavamos de ser, ainda que num mundo animado e de pura imaginação. Mas, aliás, só poderia ser mesmo assim, num mundo em que a parte fisica não aparece como uma limitação do ser humano.
Ouso mesmo dizer que um filme como este podia facilmente ter brotado de um qualquer artista do surrealismo.
"O CONGRESSO",  estreia a 13 de Março em exclusivo nos cinemas UCI El Corte Inglés e no UCI Arrábida. E eu aconselho vivamente.

segunda-feira, fevereiro 24, 2014

AE "Solteira e Fabulosa" - Critica

Cartaz do Filme
Sinopse: 
Joséphine, de 29 anos e qualquer coisa, tem a vida com que nunca sonhou. Tem peso a mais, detesta o emprego e, para tornar tudo mais difícil, está apaixonada por um homem casado. Quando, num almoço familiar, a irmã é pedida em casamento, ela decide aproveitar a deixa e contar a mais desesperada das mentiras: que está noiva de um cirurgião brasileiro e que, muito em breve, se mudará para o Brasil. Apesar de ter captado as atenções de toda a família, as consequências daquele acto impensado vão custar-lhe toda a estabilidade que, ainda assim, tinha alcançado até aí. Mas, apesar disso, ao ser obrigada a cortar com o passado e a começar um novo percurso, Joséphine acaba por viver uma série de aventuras que a levarão em direcção à verdadeira felicidade… 
Uma comédia francesa realizada por Agnès Obadia, que escreve o argumento em parceria com Samantha Mazeras, e que conta com Marilou Berry como protagonista.

(In)confidência:
Tenho a dizer que este filme me surpreendeu imenso pela positiva!! É uma comédia romântica muito gira, muito ao género de Bridget Jones, que nos mostra até onde uma mentira pode alterar e transformar completamente a nossa vida.
Não conhecia a actriz Marilou Berry, mas fiquei fã dela e desta sua personagem um pouco desajeitada - que vive obcecada pelo tamanho do seu rabo e que anseia em encontrar o homem da sua vida (ou não será este um retrato fiel, de uma forma ou de outra, de tantas mulheres) mas que teima em procurar sempre nos lugares errados. Engraçado, como nós, mulheres, idealizamos o nosso tipo de homem e depois quando ele está mesmo à nossa frente nós simplesmente não o vemos, porque estamos demasiado ocupadas a olhar para o lado, e normalmente para alguém que sabemos que nunca vai ser quem nós queríamos que fossemos, mas há sempre aquela coisa em nós do "pode ser que mude"... ai (!) mulheres, mulheres... Às vezes, pergunto-me se essa burrice crónica não nos está já programada no ADN.
Ah, também gostei muito da banda sonora =).
Em jeito de conclusão, este é um filme que nos arranca umas boas gargalhadas e ideal para um programa de final de tarde com as amigas, porque é claramente um filme para aquela romântica incurável que vive em cada uma de nós.

Nham nham @ Block House

#yumyum @ Pastelaria Restelo "Careca"

Já me tinham falado no "Careca" há algum tempo, mas só hoje tive a oportunidade de ir lá e experimentar a sua especialidade: os crossaints. E só tenho uma coisa a dizer: É claramente a melhor bomba calórica, em forma de crossaint, de Lisboa! =P

Digam lá que eu hoje não estou um docinho!!! xD

domingo, fevereiro 23, 2014

Mudaram as estátuas!! @ Volta do Duche


E hoje foi assim a minha tarde! xD

Sintra é tão linda!!! =D

* Smile, you're in Candy Camera *

 
Palácio Nacional de Sintra - Um dos mais importantes exemplares portugueses de arquitectura realenga e por isso classificado de Monumento Nacional.

Casa-Museu Atelier Anjos Teixeira

Para quem não conhece, esta Casa-Museu, situada em Sintra, é um legado artístico de dois grandes escultores portugueses contemporâneos – Artur Anjos Teixeira (1880-1935) e Pedro Anjos Teixeira (1908-1997), respectivamente pai e filho. Nela está exposta grande parte da obra dos dois escultores (mármores, gessos, bronzes, maquetas, desenhos, esboços e modelos). Destacam-se os trabalhos figurativos de temática humana e animal, com especial realce para as representações dos homens e mulheres do povo, fixados pelos dois escultores nas suas diversas profissões, atitudes e trajos característicos.
A entrada é gratuita, por isso não deixem de visitar. Só é pena mesmo pena não ter ainda mais peças do que aquelas que tem. Deixo-vos aqui duas das esculturas que lá podem encontrar.

Ceifeiro, 1957
Pedro Anjos Teixeira

Nini Norte, 1932 
Artur Anjos Teixeira

AE "Lego - O Filme" - Critica


Cartaz do FilmeSinopse:
O alegre e despreocupado Emmet Brickowoski é um bonequinho que trabalha na construção civil, na grande cidade Lego. Os seus conhecimentos são bastante reduzidos e não vão além de seguir cuidadosamente as instruções que lhe são dadas. Um dia, sem saber como ou porquê, Emmet é confundido com um "Construtor" e incumbido de uma missão importantíssima que visa salvar o universo das mãos do terrível lorde Negócios. Felizmente, ele não estará só nesta aventura: Batman, Vitruvius, Lanterna-Verde, Super-Homem e até a Super-Mulher, sob a forma de bonecos de plástico, vieram dar a sua preciosa ajuda ao mundo dos tijolos coloridos. 
Com realização de Phil Lord e Christopher Miller (a dupla criadora de "Chovem Almôndegas"), uma comédia de animação que conta com as vozes de Elizabeth Banks, Will Arnett, Will Ferrell, Morgan Freeman, Liam Neeson e Channing Tatum, entre outros.


(In)confidência:
Gostava de ter visto este filme na sua versão original, mas isto de se ver os filmes em antestreia já se sabe que é sempre em versão dobrada por causa das crianças. Mas ainda assim tenho de dizer que está espectacular e que está de parabéns quem fez a dobragem, porque está realmente muito bem conseguida! :)
Este é um filme inteligente e cheio de humor que nos relembra a criança que há dentro de nós e que de uma forma ou de outra nunca deixa realmente de existir. Um pouco sátirico também (em que o Batman é apresentado um pouco como um mulherengo arrogante, o Lanterna Verde como um heroí de segunda linha e carente de afecto, entre outros), este filme passa o tempo todo a gozar com as limitações fisicas de um boneco feito de legos e fá-lo de uma forma genial.
Em termos visuais, está sensacional. Esteticamente engenhoso e criativo, nada foi deixando ao acaso. O "efeito lego" nunca deixa de existir, e até mesmo o fogo, a agua e o fumo são feitos desse material. Mais, nem sequer os diferentes universos da Lego são esquecidos, levando o espectador a viajar pelo Velho Oeste, pelo Star Wars, pelo o dos Piratas, entre outros.
E tenho ainda a dizer que a banda sonora é mesmo awesome!! :) A música não me sai da cabeça!! Além disso, acabei de descobrir que os Lonely Island também entram nela, o que ainda a torna mais awesome!
Um filme divertidissimo a não perder!!! :)

sábado, fevereiro 22, 2014

E hoje foi tarde de Aion!!! xD

(In)confidência: O meu pet é tão cuteeeeeeee!!!

Ó mulher que vou amar, anda cá e lê isto

Sou viciado em amor. Sou dependente de amor. Sou o maior dos junkies de beijos, abraços, suores, salivas, gemidos, sussurros e tudo o mais que te passe pela cabeça. Sou um desgraçado de um carinhodependente, um miserável de um cumplicidadenómano. Preciso de quem amo como quem precisa de ar para respirar, preciso de amar como quem precisa de água para beber. Preciso de comer (n)a vida dos outros para que a minha vida não me coma de cebolada. Preciso da vida dos outros, da presença dos outros: da existência, real, dos outros por dentro da minha existência. Só nela, com ela, por ela, em ela, existo. E sem ela desisto. Sou um fraco, sim. E é de lá – do mais fundo de lá - que vem a minha força. 

Não acredito nas tretas que agora se vendem ao quilo em hipermercados de almas. Não acredito na tanga de que o amor não deve ser asfixiante. Não acredito na bullshit de que o amor deve ser a soma, perfeita, de dois inteiros – e não a soma, essa sim perfeita, de duas metades. Não acredito na pessegada da não-dependência de quem ama, do não precisar de quem ama. Não acredito. O amor, se não for precisar do outro como de pão para a boca, não é amor – é uma gosma qualquer, uma mistela qualquer. O amor, se não for dependência absoluta, se não for vício sem retorno, não é amor – é uma espécie de marca branca do gostar, uma espécie de contrafacção do amar. Eu sou pelas marcas de verdade. Eu sou pelo amor de verdade. Por mais que por vezes doa, por mais que por vezes custe. Mas a verdade, já se sabe, custa. 

Hoje decidi escrever à mulher que amo. À mulher que ainda não sei que amo – mas que um dia vou amar. Decidi escrever-lhe para lhe dizer, antes de que ela me encontre e de que eu a encontre, aquilo que quero que ela seja – aquilo que quero que ela me seja: aquilo que exijo que ela me seja. Hoje decidi escrever à mulher que amo e dizer-lhe que, se quer ser a mulher que eu amo, tem de me amar como eu a amarei. E será assim que eu amarei: sem freio, sem parar um segundo que seja de pensar nela, sem parar um segundo que seja de a querer aqui, ao meu lado, em carne, em osso, em pele - ou então simplesmente numa chamada telefónica, numa mensagem de telemóvel, num e-mail que seja. Ouve, mulher que vou amar: se queres amar-me e fazer-me amado nesse amor de nós, ama como amar tem de ser, como amar só pode ser. E amar só pode ser sem parar, sem descanso, sem um segundo que seja de abstracção. Amar é com urgência, amar é com pressa, com pulsão. Amar com tranquilidade é gostar muito. Amar com tranquilidade é, no máximo, adorar bastante. E gostar muito e adorar bastante não chega. E gostar muito e adorar bastante não me chega. Eu sou por amar. Sem condições, sem tempo, sem escalonanento de prioridades. O amor não está sujeito a prioridades. O amor é um sujeito chamado prioridade. O amor, quando se ama, não ocupa tempo – é o tempo. Porque só assim é que chega a tempo. O amor, quando se ama, não se compadece com “tenho de fazer isto e depois venho amar-te” ou com “amanhã à noite amamo-nos”. O amor não se compadece – o amor, quando se compadece, adoece. Mirra, fica pequenino, murcha. E cai. E morre. O amor morre por falta de amor real. Essa é que é a realidade. 

Não me venham com merdices. Com merdices de que a presença do amor vai para além do corpo, que é possível amar e sentir à distância como se fosse aqui, pele na pele, olho no olho. Não me venham, ainda, com a ideia de que o amor tem de ser saudável. Merda com isso. Merda para isso tudo. O amor não é saudável – é louvável. O amor é um milagre. E um milagre tem de ser, todos os dias, demencialmente, apreciado. O amor é um milagre diário – e que, para todos os dias poder ser o milagre que é, tem de receber loas e vénias e ser acarinhado e apreciado como se fosse o primeiro dos milagres. E é: o amor é sempre o primeiro dos milagres. Todos os dias, quando o amor continua a ser todos os dias, o amor é um milagre. O amor tem de ser amado. O amor não é uma empresa, não é uma reunião, não é uma associação de duas personalidades. O amor é tudo. É saber que se é aquilo, que se vive aquilo, que se sonha e acorda aquilo. O amor é saber que só se é aquilo. É claro que há os empregos e as carreiras e as obrigações e essas porcarias todas. Mas tudo isso, quando se ama, são meros espaços de passagens, irrelevantes espaços vazios: oco entretenimento para o que realmente interessa. E tu, minha mulher que amarei, tens de entender isso de uma vez por todas. Se queres ser a mulher que eu amo, tens de precisar de mim, tens de me asfixiar de ti, tens de estar, como as minhas pernas e os meus braços, em mim: sempre em mim. É claro que não é saudável, é claro que não é razoável, é claro que é insensato. Mas o amor não é saudável, o amor não é razoável, o amor não é sensato. O amor é para ser aquilo que não tem razão, aquilo que não explicação, aquilo que te tira da tua mão. O amor é para ser aquilo que te renova de ti, de um Eu que sempre foste, e que atira para um nós que nunca deixaste de ser. Depois, com o passar dos dias, se verá se ele resiste. Depois, com o passar dos dias, se verá se ele continua a ser, todos os dias, o milagre que hoje é. Depois pode até matar-te por afogo, enforcar-te por ansiedade. Mas que se dane: se isso acontecer já viveste, abençoado felizardo, o milagre de seres amor: de seres o que é, verdadeiramente, o amor. Se isso acontecer já sentiste a felicidade vezes sem conta, aquela sensação de que se a vida acabasse logo ali já teria valido a pena. Se isso acontecer já foste o deslumbramento de seres amor, a realização de seres amar. Se isso acontecer, já perdeste o ar tantas vezes, já ficaste sem respiração ainda mais tantas vezes. Ama, perde-te em amar, vive amar: sê amar. Deixa que amar te ocupe, deixa que amar te conquiste. Ama o abraço até à exaustão, ama o beijo até à devoção, ama o orgasmo até à comoção. Ama. Ama como se fosse para sempre. E quando se ama, naquele exacto segundo em que se ama, tem de se acreditar que é para sempre. Mais: tem de se ter a certeza de que é para sempre. Amar, mesmo que por segundos, mesmo que por instantes, é para sempre. E é isso, essa sensação de segundos ou de minutos ou de dias ou de horas ou de anos ou meses, que é para sempre. Ama. Ama por inteiro. Ama sem nada pelo meio. Ama, ama, ama, ama. Ama. Porque é só por aquilo que te faz perder a respiração que vale a pena respirar.

in "Eu Sou Deus"
Pedro Chagas Freitas

quinta-feira, fevereiro 20, 2014

Não tenho paciência.

"Não tenho paciência para ouvir os outros, não tenho paciência para viver, não tenho paciência para morrer, estou aqui, parada, num desequilíbrio interminável, nunca mais acabo de cair, irrito-me se me falam, sofro se me não dizem nada, odeio o gesto caridoso: a mão de alguém nos meus cabelos, o que eu quero é uma voz que me queira, um momento de descanso nessa voz."

Rui Nunes
O Grito

O cão é o melhor amigo do... bebé!! =)


I don't need perfection.

quarta-feira, fevereiro 19, 2014

A melhor declaração de amor de sempre!!


"I'm not much, but I'm all I have", I guess.

Um sítio terrivelmente triste

Odiava que ele lhe dissesse que não tinha jeito com as palavras. Sentia-se roubada do que era seu por direito. Queria ouvir aquela voz dizer-lhe ao ouvido o quanto gostava de a sentir, de a ter. Queria que todos os pensamentos dele, sobre ela, encontrassem o caminho até si. Queria sentir-se acariciada pelo timbre quente da sua voz. Mas ele teimava em deixá-la no silêncio e da sua boca não se pronunciavam as palavras que ela tanto desejava ouvir. Era triste aquele sitio. Silencioso... De um silêncio ensurdecedor até.

terça-feira, fevereiro 18, 2014

Acabadinha de sair da AE de "A grande beleza"


Cartaz do FilmeSinopse:
Há já várias décadas que Jap Gambardella vive à sombra do enorme sucesso angariado com "O Aparelho Humano", o seu único romance. Em Roma, onde reside, a sua existência tem sido um festival de luxos, prazeres e festas de todos os géneros. Apesar de sempre se ter considerado um homem feliz e realizado, agora, à beira do seu 65.º aniversário, Jap está consciente da futilidade das suas ambições. Assim, decidido a mudar o rumo da sua vida, regressa às memórias de um amor passado e resolve voltar a escrever um grande livro. Mas será ele capaz de vencer o cinismo e o desprezo que sente pelo mundo e por si mesmo? 
Um filme com argumento e realização do italiano Paolo Sorrentino ("Il Divo - A Vida Espectacular de Giulio Andreotti", "Este é o Meu Lugar"), que conta com Toni Servillo como protagonista.

(In)confidência:
Apesar de ter ganho o Bafta de Melhor Filme em Lingua Estrangeira, claramente este não é o meu tipo de filme. Aliás, eu vi 30 minutos de filme e vim-me embora porque senti que estava claramente a perder o meu tempo... portanto, não há muito mais que eu possa dizer.